O que propõem os candidatos a prefeito de Campo Alegre?

Entre as propostas apresentadas há três pontos em comum, algo que não surpreende, tendo em vista os problemas pontuais da cidade

Saneamento básico, turismo e saúde. Os candidatos podem mudar, mas esses são os pontos que todos na corrida pela prefeitura de Campo Alegre falam ao defender suas propostas de governo. Não é de surpreender: Campo Alegre não possui tratamento de esgoto, é uma cidade turística e o hospital do município, o São Luiz, ainda tem limitações. Como já era de se esperar, educação, agricultura e desenvolvimento econômico também estão entre os temas abordados nos planos de governo, afinal são setores importantes para a economia campo-alegrense.

A cidade tem três candidatos a prefeito, são eles: Alice Grosskopf (MDB), Sebastião Kons (PP) e Willian Sabino (PSL). Alice é a primeira candidata mulher à prefeita de Campo Alegre e levanta a bandeira de conversar com a população. Sebastião Kons, por sua vez, pertence aos grupos da situação e busca manter a política de gestão já adotada. Já Sabino é um “outsider” da política local, e se declara distante dos grupos que até então ocuparam a gestão da cidade. 

Quando o assunto é a gestão atual, os candidatos têm opiniões bem formadas. Sabino é oposição, mas se esquiva de fazer críticas muito duras: “Não vejo problema na gestão.” O candidato apenas acha que o atual prefeito, Rubens Blaszkowski (DEM), se limitou a tomar ações pontuais, como asfaltamento de ruas em época de eleição, mas não trouxe nenhum tipo de melhoria ou diferencial para a cidade nos 8 anos de governo. “Foi uma gestão normal”, opina Sabino. Sobre os 8 anos de Rubens, o candidato também tece críticas, e se posiciona contra reeleições: “Vassoura nova varre melhor”, diz. 

Sabino ainda critica a falta de saneamento básico na cidade, afinal, Campo Alegre não possui tratamento de esgoto. Ele trata o tema como prioridade e ainda cutuca a concorrente Alice Grosskopf: a promessa de tratamento de esgoto já havia sido feita pelo ex-prefeito Vilmar Grosskopf, cuja vice prefeita foi justamente Alice, mas nunca foi cumprida.

Alice se defende: “Já é uma questão que vem de diversos governos.” Para ela, o problema é que não se trata de algo fácil de fazer, mas reconhece que isso não pode mais ser postergado. Alice ressalta que é uma mulher de estrada na política: já foi vereadora, já foi presidente de partido, presidente da câmara municipal de Campo Alegre, já foi vice-prefeita e, agora, candidata à prefeita. Além de tudo é a primeira mulher que se candidata ao cargo na cidade, fator que ela gosta de destacar: “Isso para mim é um orgulho”, exclama a candidata. Alice pede que os eleitores avaliem com cautela os candidatos e confiem no trabalho de uma mulher. 

Vale ressaltar que há participação feminina na política da cidade, porém é muito menor se comparada à masculina. No MDB, partido de Alice, 5 dos 14 candidatos à câmara dos vereadores são mulheres. No DEM, 3 dos 8. No PP, do candidato Sebastião, 5 de 13. No PSD, 5 de 12. No PSDB, 4 de 9. E no PSL, do candidato William Sabino, 3 de 9.

Não quer falar

Também entramos em contato por diversos meios com o candidato do PP, Sebastião Kons, tanto por mensagens quanto por telefone. As mensagens foram ignoradas, assim como houve recusa no contato por telefone. O vice da chapa, Josnei Rogério, foi quem conversou conosco sobre as propostas.

O diferencial da chapa é justamente o fato de fazer parte da situação. Trata-se da única candidatura que pertence a uma coligação (PSD / PP / DEM) que já atua junta há muito tempo na política campo-alegrense. O candidato a vice destaca que a saúde e a educação foram bem trabalhadas em Campo Alegre pela atual gestão: os índices educacionais melhoraram, houve a construção de um novo posto de saúde e o hospital da cidade, que estava prestes a fechar, se manteve aberto por meio de investimentos da prefeitura. Para a chapa, o hospital São Luiz é uma prioridade, e a ideia é manter as políticas de melhoria. 

Um ponto que a chapa promete prestar mais atenção é no turismo. Josnei reconhece que o setor cresce cada vez mais na cidade e merece atenção da gestão pública. Quando se trata de educação, ele cita o projeto de reforma da creche Maria da Glória Krohl, que já está em andamento e faz parte dos esforços dele como vereador.

O candidato a vice também acredita que é fundamental fazer uma campanha sem promessas vazias. Segundo ele, a proposta relacionada a criação de uma maternidade para o hospital São Luiz, que está no plano de governo do candidato William Sabino, é inviável. Seria necessária uma série de investimentos que não cabem no orçamento da prefeitura. “É melhor não prometer do que prometer e não cumprir”, opina Josnei.

Diferentes Bandeiras

O maior plano de governo entre os três candidatos pertence à Alice Grosskopf. Intitulado “Povo e Governo Juntos”, tem como base uma pesquisa de opinião feita com a comunidade campo alegrense e a Lei Complementar nº 147, de 25 de novembro de 2019, que instituiu o Plano Diretor de Campo Alegre – Lei criada em 2006 e recentemente revisada com a participação da comunidade. O documento é dividido em 15 categorias de propostas que incluem agricultura e pecuária, indústria, emprego e renda, cultura, educação, esporte e lazer, habitação, infraestrutura, inovação, turismo, saneamento básico e meio ambiente.  

O menor plano possui quatro páginas e pertence ao candidato do PSL, Willian Sabino. Sem divisão em categorias, o documento apresenta uma série de propostas que variam entre temas como educação, saúde, agricultura, turismo, segurança pública e saneamento básico.

O de Sebastião Kons possui sete páginas e é dividido em oito categorias: educação, saúde, desenvolvimento econômico, assistência social, saneamento ambiental, transportes e obras, administração/governo e uma categoria dedicada a cultura, turismo, esporte e lazer. Em resumo, o plano envolve a continuidade ou melhoria de projetos já adotados pela gestão atual ou manutenção e serviços já oferecidos. Os planos de governo de todos os candidatos podem ser acessados através do site de divulgação de contas do TSE.

Reportagem: Guilherme Martins
Artes: Nadine Quandt
Conteúdo produzido para o Primeira Pauta Digital | Disciplina Jornal Laboratório I, 4ª fase/2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *