Indústria 4.0 busca inovações sustentáveis no século XXI

O Brasil é o 4º no ranking dos países que mais poluíram desde a revolução industrial de 1850

O vocábulo em latim “sustentare”, do qual a palavra sustentabilidade deriva, diz respeito à possibilidade de crescimento econômico usando os recursos naturais, mas sem desgaste e poluição ambiental. Esse conceito vem ganhando cada vez mais força com a quarta revolução industrial, devido à indústria 4.0 fazer o uso de recursos tecnológicos, sendo necessário implementar uma política sustentável para que a empresa e o meio ambiente caminhem juntos na mesma direção.

“À  medida que o consumo aumenta, é preciso ampliar a área dedicada à agricultura, construir novas indústrias, estradas e outros meios de comunicação. É impossível ter isso tudo sem interferir no meio ambiente em que vivemos”, explica  o professor José Goldemberg, há uma década. Segundo o estudo feito pelo Carbon Brief, site do Reino Unido especializado em ciência e política de mudanças climáticas, os países que mais poluíram a Revolução Industrial de 1850 foram os Estados Unidos, ocupando a primeira posição, seguido da China, Rússia, Brasil e a Indonésia. 

De acordo com o economista e professor João Luis Abrantes Bertoli, o grande desafio para as empresas na atualidade é conseguir conciliar crescimento econômico e o mínimo impacto ambiental. “Nesse sentido, precisamos evoluir e investir em fontes de energia renovável e em processos tecnológicos renováveis”, afirma o economista. Já John Stuart Mill, filósofo e economista britânico, defendia que a economia diz respeito aos fenômenos do estado social, resultados da busca pela riqueza. O professor explica que para mudar esse pensamento é necessário a criação de mecanismos de incentivo econômicos para estimular as empresas a serem mais sustentáveis, mas alerta que mesmo com a criação desses mecanismos, ainda assim, não haveria garantia de adesão das empresas. 

As certificações ISO, selos de qualidade emitidos pela Organização Internacional de Normatização, são destinados a empresas que cumprem determinadas regras de processos de organização. Uma dessas certificações, a 14001, diz respeito à conformidade e desempenho ambiental adequado. A engenheira ambiental e de segurança do trabalho Daniela Fachini explica que a implantação dela não é simples e muito menos barata, mas comprova aos clientes que a empresa segue os conformes da ISO. 

“As empresas com uma boa gestão ambiental podem controlar e reduzir os impactos de sua atividade no meio ambiente”, avalia Daniela. Ela conta que existem várias estratégias de gestão dos impactos. Uma dessas é a chamada economia circular ou operação reversa, sistema que visa a adoção de novos métodos e ferramentas de produção, diminuindo a geração de resíduos. 

A empresa de Joinville, Nidec Global Appliance (Embraco), que atua no segmento de compressores herméticos para refrigeração, lançou em 2014 um modelo de negócio, o Nat.genius, que oferece possibilidades de operação reversa e desenvolvimento de novos produtos. Segundo o relatório de sustentabilidade simplificado de 2019 da empresa, a geração de resíduos total se manteve estável em relação a 2018, enquanto a geração de resíduos por compressor apresentou uma queda de 5% no ano anterior.

Arthur Rancatti, profissional com ênfase em mais de 130 projetos sobre sustentabilidade, diz que as empresas precisam alinhar economia e sustentabilidade. “O consumidor hoje, além de estar preocupado com a qualidade, ele quer saber se a empresa está respeitando o meio ambiente”

A Indústria 4.0 contribui diretamente para o desenvolvimento sustentável. Nela, pessoas, sistemas e máquinas estão melhor integrados, possibilitando um processo de produção muito mais ágil e eficiente, ao mesmo tempo que é sustentável e econômico. A professora Noeli alerta que, para aplicar o conceito de Indústria 4.0 e fazer o uso de inovações e recursos tecnológicos, é necessário que as empresas tenham uma política sustentável. A implementação de novas tecnologias auxilia na redução de desperdícios e na otimização do uso dos recursos naturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *